Rancho Folclórico

rancho folclórico

Os utentes que fazem parte do Rancho Folclórico do CIRE, que conta já com 25 anos de existência, vivem experiências muito gratificantes e têm sempre muito gosto em apresentar a um novo público as danças que têm vindo a aprender e aperfeiçoar ao longo dos anos.





Pequeno historial

Em 1989, por ideia da monitora Isabel Gonçalves e de uma antiga monitora do CIRE, de seu nome Adelaide Pedro, o Rancho Folclórico do CIRE foi criado e contava na altura com a participação de apenas quatro pares dos quais faziam parte os seguintes utentes do Centro de Atividades Ocupacionais: Carla Oliveira, Carla Emília, Fátima Ferreira, Paula Amorim, Tiago Oliveira, Alfredo Farinha, Paulo Mendes e António Portugal.

Na época, o recém criado grupo de Rancho do CIRE atuou em diversas escolas do concelho fazendo sempre um "brilharete" por todos os locais onde era convidado a fazer uma apresentação nesta dança tradicional.

Posto isto, o Grupo de Teatro surge oficialmente como Projecto do CIRE sob o nome "CIRANDA em Palco" em 2005, coordenado pela professora Elsa Segorbe e com a encenação do Manuel António.

Este grupo levou inicialmente aos palcos pequenos sketches (“Outras Cenas” e “Todos diferentes, todos iguais”), da autoria do Manuel António e ao estilo da Revista à Portuguesa, com o objetivo de dar espaço a todos os participantes para brilharem de igual modo e mostrarem os seus dotes artísticos ao nível da representação.

Em 1996, o Rancho mudou um pouco de rumo, uma vez que passou a ser orientado pelo técnico António Silva e pelas monitoras Teresa Duarte e Teresa Macedo, tendo nesta altura entrado mais elementos para esta modalidade.


Atualmente o Rancho Folclórico do CIRE conta já com oito pares, número que não pode aumentar por uma questão de logística ao nível do transporte para as diversas atuações que este grupo faz pelo país em lares, escolas primárias e para as presenças que faz nas várias atividades anuais dos centros congéneres do distrito de Santarém, como sejam a do CRIAL (Almeirim), a do CERE (Entroncamento), a do CRIA (Abrantes), a do CRIT (Torres Novas), etc..

O Rancho Folclórico do CIRE também tem por costume marcar presença em festas do concelho de Tomar e concelhos limítrofes, dando sempre espetáculos muito divertidos e apreciados por todos os que estão presentes nas mesmas.

É ainda importante salientar que o Rancho Folclórico do CIRE também já atuou em espaços de grande dimensão como o antigo Pavilhão Atlântico (atualmente Pavilhão Meo Arena), em Lisboa, e o Pavilhão Rosa Mota, no Porto.

O Rancho Folclórico do CIRE também tem por costume marcar presença em festas do concelho de Tomar e concelhos limítrofes, dando sempre espetáculos muito divertidos e apreciados por todos os que estão presentes nas mesmas. É ainda importante salientar que o Rancho Folclórico do CIRE também já atuou em espaços de grande dimensão como o antigo Pavilhão Atlântico (atualmente Pavilhão Meo Arena), em Lisboa, e o Pavilhão Rosa Mota, no Porto.

Cada apresentação que o Rancho do CIRE faz traduz-se em momentos muito bem passados em que os nossos utentes têm a possibilidade de mostrar os seus dotes nesta dança tradicional, ao mesmo tempo que podem conviver um pouco com as pessoas que assistem aos espetáculos.