CIRANDA EM PALCO

grupo de teatro

O Grupo de Teatro do CIRE - "Ciranda em Palco" ensaia todas as segundas e quintas-feiras no Salão dos Bombeiros Municipais de Tomar, sob orientação da coordenadora de projeto Elsa Segorbe, do encenador e ator Manuel António e da estagiária de teatro Filipa Vaz.


Pequeno historial do grupo

O ator amador Manuel António, conhecido na nossa cidade pela personagem que interpretou durante 35 anos "Palhaço Esparguete", entrou para nossa instituição em 2003, através do Centro de Emprego, na altura com o objetivo de desenvolver aulas de expressão corporal e jogos de teatro com os utentes da instituição, uma vez que este tipo de terapia era fundamental para a exploração dos sentimentos, medos e angústias dos nossos utentes, neste caso por intermédio de várias personagens.

Ao fim de ter estado na 2 anos na instituição e chegado ao fim do contrato com o Centro de Emprego, tudo indicava que tinha chegado o momento de ir embora e abraçar outros projetos. No entanto, muito devido à "pressão positiva" que os utentes fizeram à professora Fernanda Marçal, então Diretora da valência CAO, e aos benefícios que este Grupo de Teatro trouxe para cada um dos utentes, individualmente, tornando-os mais confiantes, autónomos e com uma maior auto-estima, surgiu a possibilidade do Manuel António permanecer no CIRE como encenador deste grupo, acumulando ainda a função de motorista das carrinhas da instituição.

Posto isto, o Grupo de Teatro surge oficialmente como Projecto do CIRE sob o nome "CIRANDA em Palco" em 2005, coordenado pela professora Elsa Segorbe e com a encenação do Manuel António.

Este grupo levou inicialmente aos palcos pequenos sketches (“Outras Cenas” e “Todos diferentes, todos iguais”), da autoria do Manuel António e ao estilo da Revista à Portuguesa, com o objetivo de dar espaço a todos os participantes para brilharem de igual modo e mostrarem os seus dotes artísticos ao nível da representação.




Em 2007, o Grupo de Teatro do CIRE iniciou-se na representação de peças completas baseadas em histórias infantis já existentes, meticulosamente adaptadas pela professora Elsa Segorbe às dificuldades e limitações dos nossos utentes.

A primeira peça teve o nome “E agora… a Cinderela”, a segunda “Sonho Mágico” (2009) a terceira foi inspirada na Alice no País das Maravilhas e era intitulada “Ana no Jardim Encantado” (2010) e a quarta, ainda por estrear, tem o nome "O Segredo da Formiga" (2014).

Testemunho do Manuel


"Para quem estava habituado a lidar com os "miúdos lá de fora" e depois vem lidar com este tipo miúdos, apercebi-me de que estes merecem exatamente o mesmo tipo de tratamento. (...) É certo que por vezes temos que os "saber enganar" e adaptar a nossa abordagem às suas maneiras de ser porque cada um é como cada qual. (...) Cada um deles tem os seus problemas e as suas virtudes: alguns desenrrascam-se em qualquer tipo de papel, como é o caso da Daniela, da Andreia e do Tó; outros são muito bons na mímica e nas imitações, como é o caso do Tiago e do Paulo; outros têm a necessidade de ter um papel muito especifico tendo em conta as suas limitações, como é o caso do Eduardo. O que é transversal a todos eles é que quando entram em palco tem uma enorme facilidade em entrar e sair da personagem porque se distraem com regularidade com o que se passa fora do palco e gostam muito de sentir o "calor humano". (...) Dá-me muito gozo fazer parte deste projeto com eles. (...) É uma experiência única!"